AMIGOS DO BLOG

Links Úteis

29 de set de 2010

Endometriose



É a presença de um tecido semelhante ao endométrio (tecido que reveste o útero) em outros órgãos da pelve (bexiga) e até em outras regiões do corpo (intestino). 


O sintoma mais comum é a dor, relacionada ao ciclo menstrual da mulher ou contínua. Como a dor costuma ser no ventre, a relação sexual pode ser dolorosa. Em outros casos pode afetar as atividades diárias da mulher se for muito intensa. Dependendo da localização da endometriose, também pode causar diarréia e dor ao urinar. Também há casos em que a endometriose é assintomática.

Existem várias teorias sobre o que pode causar a endometriose, entre elas estão o estresse, hereditariedade, e o refluxo menstrual, onde partes do endométrio (tecido que reveste o útero internamente) que se desprende do útero durante a menstruação, migra para outras regiões do corpo através das tubas.




Somente o médico pode diagnosticar a endometriose e após isto fornecer o tratamento adequado. O tratamento poderá ser medicamentoso e também cirúrgico.
A endometriose atrapalha mulheres que querem engravidar por dificultar a fertilização dos óvulos liberados. Porém, não é sinônimo de infertilidade.




11 de ago de 2010

ENTEROBÍASE OU OXIURÍASE


Enterobius vermicularis, é o agente etiológico, ou seja o causador da parasitose Enterobíase, acomete o intestino das pessoas e especialmente crianças.



O habitat dos vermes adultos é no intestino grosso (ceco), onde ficam aderidos. Agora, como isso acontece?



A fêmea já fecundada, cheia de ovos, é arrastada para fora do intestino e exprimida no ânus, o que acaba provocando uma expulsão de grande quantidade de ovos na pele em torno do ânus.



O primeiro sintoma apresentado é coceira no local afetado, região do períneo ou ânus. O períneo fica vermelho, irritado, podendo dar lugar a infecções, podendo ocorrer também lesões no reto. Nas meninas pode ocrrer coceira na vulva.



Ao coçar a pessoa se contamina novamente, ao levar as mão a boca. Pessoas que convivem na mesma podem ser contaminadas ao inalar esses ovos que podem ficar suspensos no ar ao sacudir uma roupa de cama...etc



O diagnóstico é feito pela técnica da fita adesiva, busca-se ovos ou vermes no períneo pela manhã antes do banho. É colocada contra o ânus e depois aproxima-se as nádegas, fazendo com que os parasitos da pele aderem à fita, que em seguida é posta sobre a lâmina. A lâmina é examinada em microscópio.



Uma forma de se evitar a contaminação é manter unhas curtas e limpas com escova, evitar de coçar as áreas afetadas, trocar roupas de cama com frequência e lavar a 55ºC ou fervendo-as, manter banheiros limpos.




1 de jul de 2010

Nutrição





Ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades do organismo ou ainda, podemos dizer que é um processo biológico em que os organismos (vegetais e animais), utilizam alimentos e absorvem os nutrientes desses alimentos para realização de suas funções vitais.

Ufa!!! Pois quem são os nutrientes? São substâncias químicas que constituem os alimentos e que tem a função de nutrição. Enquanto os alimentos são substâncias que fornecem nutrientes, possuindo a função de suprir as necessidades do organismo.

Outras diferenças bem legais de serem esclarecidas são os termos dietética, dieta e dietoterapia. Sendo dietética a parte da medicina que estuda as dietas, a arte de alimentar corretamente as pessoas. Dieta é um regime alimentar  e dietoterapia é a dieta aplicada às pessoas enfermas.

Agora um pouco sobre carboidratos, proteínas, fibras, lipídeos e vitaminas...

Carboidratos são biomoléculas que possui função de fonte de energia para as células, reserva de energia e matéria-prima para síntese de outras biomoléculas. São encontrados em pães, massas, batatas, mandioca, farinha, milho, arroz, laticínios.

Proteínas são as moléculas orgânicas mais abundantes nas células. Possui função de catalisar, armazenar (ferritina), transportar (hemoglobina), enzimáticas (lipases). Podemos encontrar em aves, carne vermelha, carne de porco, peixes, laticínios.

Fibras são carboidratos que não podem ser digeridos. Podem ser solúveis ou insolúveis em água. Ajuda a diminuir os níveis de colesterol, estabilizar os níveis de açúcar no sangue, auxilia na motilidade do intestino. Podemos encontrar em frutas, beterraba, cenoura, verduras.

Lipídeos biomoléculas insolúveis em água. Possui função de fornecer energia, serve como isolante térmico, facilita determinadas reações químicas. Podemos encontrar no milho, aveia, soja, cevada, centeio, óleos de canola, soja e peixes.

Vitaminas são diversas e vou falar bem rapidinho sobre cada uma delas:
B1 - Sua deficiência resulta em beribéri, uma doença de sintomas cardioneurológicos e motores. Encontrada em sementes de grãos de cereais, vísceras, carne magra, leite.
B2 - Nenhuma doença associada, encontrada em germe de cereais, vísceras, carne magra e leite.
B3 - Sua deficiência causa dermatite, demência e diarréia. Encontrada em grãos de cereais, carne, fígado.
Ácido Pantotênico - Não há doença associada. Encontrada em levedura, fígado, ovos, carne e leite.
B6 - É rara sua deficiência, mas na sua carência pode ocorrer dermatite, glossite e neuropatias. Encontrada somente em grãos de cerais, vísceras, carnes, ovos.
B12 - Sua carência resulta em anemia perniciosa. Encontrada em vísceras e carnes.
C - É um potente anti-oxidante que age como protetor de morte celular por ação dos radicais livres. Sua carência provoca escorbuto, é encontrada em frutas cítricas.
Ácido fólico - É importante na síntese de DNA. Encontra-se em vegetais, levedura.
Biotina - Sua carência é rara, pois é produzida pela flora intestinal. Encontrada em sementes de grãos de cereais, vísceras, ovos e carne.
A - Cegueira noturna é o principal processo patológico resultante da sua carência.
D - O raquitismo é a principal consequência de sua carência. A exposição ao sol ajuda nesse caso.
E - Seu excesso prejudica absorção das demais vitaminas , podendo ocorrer a carência delas. Encontrada em óleos vegetais.
K - Importante o processo de coagulação sanguínea, seu excesso pode contribuir para o surgimento de anemia hemolítica e kernicterus. Encontrada em vegetais e na flora bacteriana.

Papel da enfermagem na nutrição

  1. Realizar entrevistas com o paciente e descobrir padrão alimentar;
  2. Avaliar definições nutricionais através do exame físico geral;
  3. Ajudar o paciente a se alimentar se necessário;
  4. Orientar o paciente sobre a possível necessidade de mudanças em seu hábito alimentar;
  5. Observar aceitação da dieta;
  6. Anotar apetite demonstrado;
  7. Controlar fatores que influenciam na sua dieta;
  8. Em casos de pré e pós operatório, orientar paciente sobre a dieta dessas fases de acordo com seu caso.
E por aí vai...


Curiosidades:
Regime é o termo utilizado erroneamente para dieta.
Cardápio é a composição de uma refeição ou de um conjunto de refeições.

Foto: Divulgação/ Stock.Xchng

1 de abr de 2010

MOLA HIDATIFORME




De forma bem resumida, mola hidatiforme é um tumor benigno irregular que se desenvolve a partir de tecido placentário em fases precoce de uma gravidez em que o embrião não se desenvolve normalmente, se apresenta sob a forma de um aglomerado de vesículas semelhantes à um cacho de uvas. Sua etiologia é desconhecida.

São de dois tipos: a parcial e a completa, as diferenças entre elas são importantes, devido ao risco de evolução para forma persistente.

A mola hidatiforme completa caracteriza-se pela ausência do embrião, enquanto na parcial há tecido placentário junto com os cistos, e o embrião começa a desenvolver, mas mesmo que ele esteja presente é importante saber que não é um embrião normal, devido à má formação fetal, oferecendo difícil condição de sobrevivência.

Sinais e sintomas

Náuseas, vômitos frequentes, aumento do útero desproporcional com a idade da gravidez, útero de consistência mole, hipertensão, edema, proteinúria, hemorragias espontâneas, indolor, também ocorre diminuição do volume uterino após hemorragia, as vesículas podem ser eliminadas pela vagina, pode ocorrer emagrecimento, palidez, dispnéia e o fator principal é a ausência de batimentos cardíacos fetais.

                        


Tratamento

Esvaziamento uterino, acompanhamento clínico, quimioterapia.


Cuidados de enfermagem básicos 


  • Apoiar psicologicamente esta paciente;

  • Observar e registrar perdas vaginais;

  • Aferir e registrar sinais vitais;

  • Observar sinais de choque e comunicá-los imediatamente a enfermeira ou ao médico;

  • Administrar medicamentos prescritos;

  • Realizar tricotomia pubiana e perineal;
  • Monitorar eliminações vesicointestinais
Abaixo histerectomia, verifica-se a presença de várias vesículas.





Papel da enfermagem

O profissional de enfermagem atua na orientação à cliente, explicando as solicitações médicas, promovendo a saúde, prevenção e recuperação, garantindo uma evolução positiva do quadro e adequada assistência de enfermagem à paciente acometida de gestação molar.

1 de mar de 2010

Idoso - Alterações Comuns No Envelhecimento



Com o envelhecimento, é natural que nosso organismo deixe de executar suas funções dentro da normalidade. Por exemplo:

Sistema Tegumentar

Perda da elasticidade da pele (rugas, perda de firmeza, ressecamento, facilidade de laceração), alterações dos cabelos (pelos faciais: diminuição em homens, aumento em mulheres), crescimento mais lento das unhas, atrofia das arteríolas epidérmicas.

Sistema Respiratório

Diminuição do reflexo de tosse, diminuição da remoção de muco, poeira, irritantes das vias aéreas (diminuição dos cílios), diminuição da capacidade vital (aumento do diâmetro torácico antero-posterior), aumento da rigidez da parede torácica, menos alvéolos, aumento da resistência das vias aéreas, maior risco de infecções respiratórias.

Sistema Cardiovascular

Espessamento das paredes dos vasos sanguíneos, estreitamento da luz dos vasos, perda da elasticidade dos vasos, menor débito cardíaco, diminuição do número de fibras musculares cardíacas, diminuição da elasticidade e calcificação das valvas cardíacas, diminuição da sensibilidade de barorreceptores, menor eficiência das valvas venosas, aumento da tensão vascular pulmonar, aumento da pressão arterial sistólica, diminuição da circulação periférica.

Sistema Gastrointestinal

Doença periodontal, diminuição da saliva, secreções gástricas e enzimas pancreáticas, alterações da musculatura lisa com diminuição do peristaltismo esofágico e da motilidade do intestino delgado.

Sistema Musculoesquelético

Diminuição da força e massa muscular, descalcificação de ossos, alterações articulares degenerativas, desidratação dos discos intervertebrais (diminuição da altura).

Sistema Neurológico

Degeneração de células nervosas, diminuição de neurotransmissores, diminuição da velocidade de condução de impulsos.

Modificado de Ebersole P e outros: Gerontological nursing and healthy aging, ed2, St. Louis, 2005, Mosby.


Cuidados de enfermagem gerais com o paciente idoso:

- Sente de frente para o idoso para que este possa olhar seus movimentos labiais e expressões faciais;
- Fale lentamente;
- Mantenha seu tom de voz baixo, idosos podem ouvir tons baixos melhor do que sons de alta frequência;
- Apresente uma idéioa de cada vez;
- Monitorar e manter a saúde física;
- Tratar com individualidade, pois as necessidades para cada paciente diferem;
- Facilicatar o desempenho, independente das atividades diárias;
- Incentive a independência, se possível;
- Reduzir os ruídos de fundo;
- Procurar por serviços de triagem, para verificar pressão sanguínea, glicemia e outros;
- Estar atento ao isolamento social, pois tendem a isolar-se conforme aumenta sua idade;
- Uma dieta pobre em gorduras e bem balanceada;
- Imunização contra gripe.

Fundamentos de Enfermagem, Patrícia A. Potter


É claro que os cuidados com o idoso estão muito além do que somente a parte fisiológica, existem as questões sociais, psicológicas e familiares.

17 de fev de 2010

MEDINDO A DOR




Para a correta avaliação da experiência dolorosa do paciente, é preciso analisar a intensidade da dor com base na descrição do paciente. Para ajudar o profissional nesta tarefa, a literatura dispõe de escalas que classificam a dor em leve, moderada e intensa. O uso destes instrumentos deve estar de acordo com o nível de compreensão, nível de consciência e idade do paciente.


Escala qualitativa

O paciente deve classificar a sua dor como: sem dor, dor leve, dor moderada, dor intensa, dor insuportável.


Escala numérica

Consiste em uma régua, dividida em onze partes iguais, numeradas de 0 a 10. O paciente deve apontar a intensidade da sua dor. O nível 0 corresponde à ausência de dor, e o nível 10 significa a pior dor imaginável.


Escala de faces

Na escala de faces o doente classifica a intensidade da sua dor de acordo com a expressão representada em cada face desenhada. A expressão de felicidade corresponde à classificação "sem dor" e a expressão de máxima tristeza corresponde à classificação "dor maxima".


Escala comportamental

Para a aplicação desta escala o paciente é questionado sobre sua lembrança de dor em relação a suas atividades diárias, o qual atribui uma nota.

Nota zero - Dor ausente ou sem dor
Nota três - Dor presente, havendo períodos em que é esquecida
Nota seis - A dor não é esquecida, mas não impede exercer atividades da vida diária
Nota oito - A dor não é esquecida, e atrapalha todas as atividades da vida diária, exceto alimentação e higiene
Nota dez - A dor persiste mesmo em repouso, está presente e não pode ser ignorada, sendo o repouso imperativo.









Revista Enfermagem - Nov/2009 - COREN